29 de março de 2014

Resenha: Convergente - Veronica Roth


Olá convergentes! Hoje trago-vos a resenha do último livro da trilogia de Veronica Roth
 - Convergente.

Para quem não sabe, esta trilogia é constituída por: Divergente (resenha) , Insurgente (resenha) e Convergente, o livro que apresentarei hoje.




Autora: Veronica Roth
Editora: Rocco
Número de páginas: 526
Gênero: Distopia, Ficção Científica, Romance


A sociedade baseada em facções, na qual Tris Prior acreditara um dia, desmoronou – destruída pela violência e por disputas de poder, marcada pela perda e pela traição. No poderoso desfecho da trilogia Divergente, de Veronica Roth, a jovem será posta diante de novos desafios e mais uma vez obrigada a fazer escolhas que exigem coragem, fidelidade, sacrifício e amor. 





O que é ser convergente?

Segundo o dicionário é apresentar ideias, comportamentos ou atitudes comuns com outrem. Que segue o mesmo objetivo ou propósito.


 Uma escolha vai te definir


Tris e Tobias, envoltos à nova descoberta de um mundo do lado de fora dos muros, revelado pelo vídeo de Edith Prior, fazem de tudo para escapar à nova tirania formada por Evelyn, mãe que Quatro, e com a ajuda dos Leias, liderados por Johanna ( antiga líder da Amizade) e Cara ( irmã de Will e membro da antiga Erudição) saem dos limites da cidade e partem à descoberta do desconhecido com Christina, Cara, Peter, Tori e Caleb que iria ser condenado pela traição a Tris. 

Ao serem perseguidos Tori morre antes de chegarem ao Departamento, Tobias reencontra o seu líder de treinamento supostamente falecido na Audácia (Amah), e a notícia mais escandalosa é que muitos dos Divergentes considerados mortos, afinal estão vivos e se encontram no tal Departamento liderado pelos Estados Unidos, ou pelo o que resta deles. 

Sem saberem muito bem como reagir, todos se encontram perdidos neste novo mundo cheio de conhecimento que eles nunca souberam que existia. Tentando se adaptar, eles vão descobrindo que toda a sua cidade é apenas um experimento criado após a Guerra da Pureza que dizimou a população, devido à modificação de genes que criou dois tipos diferentes de pessoas: os geneticamente danificados - normais, e os geneticamente puros - divergentes.
A criação das facções não aconteceu em todos os experimentos, apesar de existirem imensos, mas ajudaram a descobrir personalidades e bastantes pessoas que não se adaptavam em nenhuma facção, assim como Tris. 

Em busca de informações Tris descobre que a sua mãe não foi realmente nascida e criada na Audácia, mas era resultante de outros experimentos, em outro lugar, que acabou por correr mal, e Natalie foi acolhida no Departamento e mandada em  missão para ajudar os Divergentes de Chicago.

Muitas coisas se vão desenrolando a partir daqui - revoluções fora e dentro dos limites da cidade onde todos começam, mais uma vez, buscando mudar a sua sociedade. Uns querem manter a cidade no domínio dos sem-facção, e outros querem voltar a instalar as facções. Uns querem a igualdade entre GD e GP e outros não.
“ Imagino que uma chama que queime com tanta intensidade não seja feita para durar.”
Assim que o livro saiu eu corri para o comprar. Mas como estava lendo outro livro, e eu não gosto de ler dois ao mesmo tempo, deixei-o esperando um pouco. Terminei.

Não sei bem como me sentir depois que fechei o livro... Tenho muitos sentimentos à tona aqui dentro de mim. Sim, claro, é só um livro, mas esta trilogia, para mim foi uma das melhores que eu li até hoje! Eu simplesmente amei mais do que qualquer outra. Não sei se foi por causa da ação, que eu por sinal amo, ou o romance que foi crescendo aos poucos entre Tris e Tobias, ou se foi pela oposição política tão bem elaborada, mas devo dizer que os três livros são extremamente fenomenais.

Este livro foi escrito de maneira diferente, apresentando capítulos com a narração de Tris, como os outros dois, mas também com a de Tobias, que simultaneamente vai dando continuidade à história.

É muito difícil conseguir escrever esta resenha sem contar muitos spoilers, na verdade nos outros dois foi igual, pois acontece sempre tanta coisa, que se uma for revelada estraga o mistério todo. Mas este foi muito mais difícil! 
“ E eu sei, sem que ninguém precise me dizer, que é isso que o amor faz quando é certo. Ele torna você algo maior do que é, maior do que acreditava ser capaz de ser.
Isso é certo."
Sei que muitos já falaram que o final da trilogia foi horrorosa, que foi um erro a maneira como terminaram, mas na verdade ainda não sei o que pensar... Por um lado, claro, todos gostamos do " e viveram felizes para sempre" mas será que é mesmo sempre isso que acontece? Na maior parte das vezes não, por isso eu achei o final bastante "credível" e não um estereótipo. Eu entendi o final, entendi a ironia, que às vezes nos submetemos a coisas altruístas, e nos magoamos imenso, a nós e aos nossos próximos e depois quando não nos queremos verdadeiramente sacrificar, porque já sabemos como é, é aí que a situação muda, e o altruísmo se torna voluntário sem mesmo nos voltarmos a lembrar do quanto sofremos ou as consequências terríveis que isso pode trazer.

Espero que tenham gostado e aqui vos deixo o finalzinho do livro. Não se preocupem, não tem spoiler:
"Desde que eu era criança, sempre soube disto: a vida nos danifica, a todos nós. Não há como escapar desse dano. Mas agora também estou aprendendo isto: podemos ser consertados. Consertamos uns aos outros."
Fim

20 comentários:

  1. Sempre fui louca para ler esse livro! Mês que vem irei comprá-lo, estou muito animada!
    Beijos e ótimo comentário sobre o livro!
    Beijos
    eujaliesselivro.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Gabriela, não se esqueça de ler os dois primeiros para entender a história!
      Muito obrigada =)
      Beijinhos

      Excluir
  2. Olá!
    Confesso que não li, pois ainda não li o livro! Rs
    Vou começar Divergente ainda essa semana provavelmente!
    O filme está para estrear e quero ler antes de ver! =D
    Bjoss

    http://fotografiaeleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Tatah!
      É melhor não ler mesmo rsrs
      Os três livros são muito bons, aposto que vai amar ;)
      Beijinhos

      Excluir
  3. Ana parabéns pela resenha!!! Estou curiosa com essa série mas os livros são bem caros, estou sem trabalhar e economizando, mas vou investir nela assim que possível. Mas estou com eles em ebook e pensando em ler pelo menos o primeiro antes de comprar os físicos.
    Enfim é isso querida. Bjos

    Leituras, vida e paixões!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Aline!
      Muito obrigada =D
      Eles realmente não são muito baratos, mas agora que saíram os três, creio que o Submarino irá fazer uma boa promoção de uma box.
      Beijinhos

      Excluir
  4. Te indiquei para uma TAG! Espero que goste, beijos http://cantinhodabuh.blogspot.com.br/2014/03/tag-qual-e-o-livro.html

    ResponderExcluir
  5. Li Divergente em 2 dias e necessito de Insurgente para ler. E descobri um spoiler muito ruim do último livro e por issodesanimei pra ler :/

    http://garotasliterais.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi =)
      Eu consegui comprar os dois juntos no Submarino, então li-os seguidos.
      Apesar desse spoiler ser mesmo ruim, o livro é muito bom mesmo, por isso não desanime, acho que vai gostar na mesma =)
      Beijinhos

      Excluir
  6. Li Convergente em ingles bem na semana que lançou e lembro que sinceramente não gostei, fiquei bem decepcionada com a autora.

    http://www.whoisllara.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Lara.
      Eu não posso dizer que não gostei, porque com tudo o que estava acontecendo eu meio que estava esperando... Acho que não se tornou algo assim tão mau, eu até curti a ironia.
      Beijinhos

      Excluir
  7. Comecei a ler a trilogia e adorei Divergente e amei demais Insurgente, mas quando chegou em Convergente me decepcionei um pouco, tanto que estou na metade e não consigo seguir a leitura porque não gostei, principalmente de algumas atitudes do Quatro me deixaram muito nervosa! Pretendo terminar a leitura, afinal já cheguei até aqui e quero saber o final, mas para mim esse último foi o mais decepcionante de uma série que tinha tudo para dar certo.
    Beijo!
    http://booksmanybooks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Patrícia.
      Eu amei a trilogia, e se ler tudo até ao fim vai entender as decisões do Tobias. Convergente não é um livro de ação como os outros dois, é um livro de auto reflexão e descobrimento. A autora passou de livros sobre momentos impulsivos e altruístas para ações pensadas e idealizadas.
      Eu amei a série de qualquer jeito =)
      Beijinhos

      Excluir
  8. Também fiquei meio dormente quando acabei o livro. Mas confesso que não esperava por isso. Por mais que justifiquem falando que a autora deseja algo real que mostrasse que nem tudo pode acabar bem. Não me conformo...

    Ana P.M. ♛ Queen Reader - Venha conhecer o Castelo!
    http://booksandcrowns.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Ana, a vida nem sempre segue o rumo que nós queremos...foi realmente muito triste o que aconteceu, e eu fiquei muito mal quando terminei mas depois até entendi o que a autora queria fazer.
      Beijinhos

      Excluir
  9. Oi Ana! Menina, tem muitos spoilers na sua resenha! hehe...
    Eu não gostei do final nem um pouco... :/ Como falei na minha resenha, foi a maior decepção literária da minha vida, mas não por querer um final de contos de fadas, tanto porque eu sei que não cabia esse tipo de final nessa distopia, mas porque achei que as decisões que Veronica Roth tomou foram somente com o intuito de chocar os leitores. Não vi muito fundamento tanto no final, quanto em toda a narrativa... Enfim, fiquei bem triste por ter odiado tanto o final da que era minha distopia preferida!
    Mas, por outro lado, fico feliz em ver pessoas que gostaram, pq ninguém merece sentir o que senti lendo Convergente! hehe
    Beeejo!

    http://maisumapaginalivros.blogspot.com.br/
    Mais Uma Página

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Michelly.
      Acho difícil fazer uma resenha que não contenha nada sobre o que acontece no livro, eu não contei nada que ferisse a susceptibilidade de nenhum leitor, pode se ver isso pelos comentários.
      Vejo que temos opiniões bastante divergentes, eu compreendi o que Veronica Roth quis dar a entender, a meu ver foi algo bem mais profundo do que muitos entenderam. Não creio que ela queria chocar os leitores, apenas é muito difícil alguém fugir de algo tão inesperado tantas vezes. Não digo que foi o meu final favorito de todos os tempos, mas também não fiquei assim tão devastada, acho que apenas aceitei o final...
      Beijinhos

      Excluir
  10. Horrível. Traumatizante. Palavras que talvez possam resumir o que foi esse final para mim. Cassandra clare, Rick riordan, Stephenie meyer, entre outros autores, conseguiram/ deram um final digno até mesmo para os personagens secundários em suas sagas. Muito arrasada! essa trilogia merecia um final feliz, espero que Verônica roth corrija no filme. Ela deixou muito a desejar, e não digo isso apenas em relação ao casal principal, digo pelos outros personagens que também mereciam um enredo e um desfecho mais convincente, como Caleb, Peter, Cristina, Uriah, Cara.. Acho que a autora se preocupou mais em nos surpreender ( ou decepcionar mesmo) com um final tão diferente do "felizes para sempre", do que proporcionar o que todos esperavam. Terminei o livro ontem, confesso que estou com um vazio sufocante no estômago subindo pra garganta, como que um choro sem lágrimas ou soluço sem som, alimentado pela esperança cultivada durante a leitura, clamando por um fim diferente.

    ResponderExcluir
  11. Olá Aline. Sei perfeitamente aquilo que está passando. Quando terminei pareceu que eu verdadeiramente tinha perdido alguém muito próximo a mim. Esse vazio eu senti tanto que eu não consegui ler mais nenhum livro durante acho que uns 2 meses. Senti me traumatizada ahahah Mas para isso ter acontecido comigo, significa que a Veronica Roth conseguiu criar uma personagem tão apaixonante que nos deixou sentindo que fazíamos parte da sua vida e ela da nossa, por isso eu parabenizo a autora. O final primeiramente achei que tinha sido uma brincadeira de mau gosto, como iriam fazer isto connosco?! Mas depois entendi a ironia, tantas vezes a personagem se colocou em situações de perigo sem medo da morte e da única vez que teve isso acontece.
    Nem tive vontade de ler Quatro, mas acho que em breve irei comprar só para poder ter um ponto final.
    Beijinhos, o luto vai passar!

    ResponderExcluir

Copyright © 2015 | Design e Código: Sanyt Design | Tema: Viagem - Blogger | Editado por: Carolina Lopes • voltar ao topo